NÃO TEM JEITO MESMO! Se você acompanha a vida política brasileira e se for tão observador quanto eu, ou ingênuo como eu, já deve ter observado que a SAFADEZA entre aqueles que dizem nos governar passou dos limites, e bastante, e já faz um enorme tempo. Aumentos inaceitáveis nos salários do funcionalismo público federal, aumento do período de férias dos parlamentares, viagens ao exterior bastante além daquilo que poderia ser necessário ou aceitável, aumentos injustificáveis nos salários de deputados e senadores, e mais uma enorme penca de safadezas, todas elas mostrando, e provando, que não estão em Brasília para governar este país. Transcrevo aqui alguns pensamentos emitidos num discurso recente do presidente nacional da OAB, no qual diz o que é SAFADEZA. “Safadeza é comparar a pensão de um deputado com a de uma viúva. Safadeza é um cidadão ter que contribuir durante 35 anos para ter membros do governo com o direito de cobrar pensão máxima. Safadeza é que os deputados e os senadores julguem que só eles trabalham. (Sabemos que, na verdade, não trabalham). Safadeza é por, na Administração Pública, milhares de assessores, os quais, por sua vez, ocupam todos os espaços de Brasília. Safadeza é a enorme quantidade de dinheiro destinado aos Partidos políticos. Safadeza é que a um político não se exija comprovação dos seus gastos e, muito menos, o montante e o destino desses gastos”. E o presidente nacional da OAB prossegue com a sua enorme lista de citações. Eu poderia acrescentar mais algumas dezenas de afirmações sobre safadeza. Uma delas: “Safadeza é a presidente da República ser “posta pra correr de Brasília” e continuar com os mesmos direitos que tinha quando ocupava o cargo de Presidente”. E, convenhamos, também existe safadeza entre nós mesmos, por permitirmos que tudo isso aconteça bem à nossa frente. Dizem, ou não dizem, que vivemos num país democrático no qual quem manda é o povo, no qual quem governa, em última instância, é o povo? Você já pensou nisso?

< Voltar