UMA SUGESTÃO PARA A DILMA

       Entre todos aqueles que já assumiram a Presidência da República, até hoje, a Dilma é a campeã em número de ministérios. Talvez seja a campeã mundial nisso, entre homens e mulheres.

       Quem conhece Brasília deve ter observado que lá, na Esplanada dos Ministérios, existem 12 edifícios iguais, obedecendo ao projeto original. Por que 12? Porque 12 eram os ministérios. Pelo que consta, e pela ausência de reclamações por mais ministérios, era um número que satisfazia às necessidades do Poder Executivo. Tinham ministérios para governar, não para servirem apenas de emprego.

       Mas, à medida que o tempo passava, aqueles que assumiam a Presidência da República cada vez mais foram sentindo uma grande necessidade, mas não de executar melhor as suas funções como chefe do Poder Executivo, mas sim de acomodar e dar emprego a amigos do partido e em troca do apoio político dos outros partidos. E surgiram cargos a serem preenchidos no segundo, no terceiro, no enésimo escalão. Até que isso passou dos limites do tolerável com o PT do Lula e da Dilma. É claro que a conta é nossa! A Dilma chegou ao cúmulo!

       Como a Dilma tem essa incontrolável “necessidade”, aqui está uma sugestão para ela ir aumentando o seu ministério. O Ministério da Pesca, por exemplo, por representar “muuuuito trabalho” para um só ministro, pode ser desmembrado em dois: Ministério da Pesca em água doce e Ministério da Pesca em água salgada. O Ministério da Agricultura, como o segundo exemplo, tem muito trabalho para um só ministro. Dilma, que tal desmembrá-lo? Ficaríamos com o Ministério da Agricultura e com o Ministério da Pecuária, ou, para usar um nome mais adequado, Ministério do Estrume. Nesse caso, uma grande dificuldade seria acomodar o enorme número de interessados a ministro porque de estrume muita gente entende bem mais do que de governo e de Política. E o seu ministério iria crescendo indefinidamente, de acordo com as suas “necessidades”. E não estou cobrando nada pela ideia!

< Voltar